Tipos de fraudes: conheça as principais e os seus malefícios para a empresa

6 minutos para ler

Você sabe quais são os tipos de fraudes que sua empresa pode sofrer? Estar atento a isso é fundamental para garantir a segurança do seu negócio. Afinal, tanto uma loja física quanto um e-commerce podem ser vítimas de um golpe hoje em dia.

Só para você ter uma ideia, metade das empresas brasileiras afirma que já foi alvo de crimes econômicos. Logo, percebemos que se manter seguro contra esse tipo de prática é essencial para garantir a saúde financeira do seu negócio. Lembrando que o termo fraude se refere a qualquer ato enganoso no qual o indivíduo age de má-fé com o intuito de obter vantagens ou de não cumprir com um determinado dever. Nesse caso, podemos citar, por exemplo, o uso de cartões clonados, documentos falsos e roubo de dados.

Diante disso, preparamos este artigo com os principais tipos de fraudes que você precisa ficar de olho. Acompanhe a leitura!

Uso de identidades e cartões de outras pessoas

Esse é, provavelmente, o tipo de fraude mais comum nas empresas. Como ele funciona? O fraudador rouba os dados pessoais de outra pessoa, como identidade, CPF e cartões de crédito ou débito e, por meio dessas informações, realiza compras se passando pelo titular.

Essa prática não só afeta o proprietário dos dados, como também a empresa que teve as informações roubadas, já que, além de ressarcir a vítima, ainda corre o risco de perder a credibilidade no mercado.

Sendo assim, para evitar que esse tipo de fraude aconteça é importante que a sua empresa faça uso de ferramentas que garantem a segurança dos dados de seus clientes. Além de tomar bastante cuidado com as senhas que são inseridas em seus sistemas, é recomendado:

  • manter o sistema operacional sempre atualizado;
  • fazer o backup com frequência;
  • testar a codificação de seus sistemas;
  • investir em uma Solução de Segurança de Terminais (ou EPS). 

Quanto às empresas que recebem o contato do fraudador, é ideal dispor de ações que comprovem a genuidade do documento apresentado como uma forma de proteger o seu cliente e evitar cooperar com práticas criminalistas.

Clonagem de cartões de crédito

A clonagem do cartão de crédito é um problema que afeta tanto o consumidor quanto a empresa. Nesse caso, o fraudador, com a ajuda da tecnologia, consegue literalmente clonar todos os dados do cartão no momento em que ele é inserido na máquina.

Em cartões que possuem chip, a obtenção dos dados pode ser feita de outras formas, tais como:

  • compras em lojas virtuais;
  • cadastro do cartão em aplicativos;
  • mãos de terceiros;
  • compras utilizando a tarja magnética.

Sendo assim, é muito importante que o usuário do cartão faça compras apenas em sites confiáveis e nunca compartilhe as informações do cartão com terceiros. Quanto às empresas, é essencial preservar a segurança dos dados de seus clientes, pois, mesmo que não seja a principal responsável pelo incidente, pode ter sua imagem afetada no mercado. 

Gerador de números falsos de cartões

Existem algumas ferramentas que geram infinitas combinações numéricas de cartões de crédito. O acesso a essas combinações faz com que o fraudador tenha sempre em mãos números válidos de cartões de crédito que permitem realizar compras em lojas virtuais.

No entanto, essa fraude pode ser facilmente evitada quando a empresa solicita a validação da identidade do usuário. Afinal, mesmo que o fraudador tenha acesso ao número do cartão, é possível impedir o golpe ao solicitar outros dados como o código de segurança, nome do titular e CPF.

Pedido de estorno para operadora de cartão de crédito

Nesse tipo de golpe, o fraudador age da seguinte maneira: ele realiza uma compra em uma loja virtual e, após receber a mercadoria, entra em contato com a empresa solicitando o estorno do valor da compra, pois afirma ter sido vítima de um golpe.

Dependendo do que foi adquirido pelo golpista, o prejuízo pode ser muito grande para a empresa. Por isso, é ideal elaborar uma política de devolução ou cancelamento da compra para guiar o processo de estorno e evitar possíveis prejuízos.

Cheques falsos

Apesar de ser um recurso que tem se tornado cada vez mais escasso, o talão de cheques ainda é uma das alternativas de pagamento usada por alguns consumidores. Por esse motivo, os gestores devem ficar atentos para não serem vítimas de golpes. Afinal, o golpista pode efetuar o pagamento para a empresa utilizando um cheque sem fundos ou realizar uma compra no nome da própria instituição. 

Em ambos os casos, os prejuízos são iminentes, por isso todo cuidado é válido para evitar a ocorrência desse crime. Como sugestão, aconselhamos que você verifique a procedência física do cheque em sites como o Cheque Legal e procure saber se o emissor possui o nome negativado. Essa ação, sem dúvida, ajudará você a não ter dor de cabeça por causa de cheque sem fundos.

Roubo de bens

O roubo é uma das fraudes mais comuns nas empresas, especialmente as do segmento varejista. Isso porque trata-se de uma ação fácil de ser praticada, uma vez que o infrator precisa apenas de uma oportunidade para seguir adiante com o plano.

Por causa do crescimento do comércio ilegal que permite a comercialização de mercadorias roubadas, o índice de roubo tem aumentado significativamente. Esse fator tem feito com que os gestores invistam cada vez mais em segurança para garantir a proteção de seus produtos. Afinal de contas, no setor de serviços, por exemplo, o roubo de cargas resulta em grandes prejuízos para a empresa.

Além do roubo provocado por agentes externos, existe também a possibilidade de ocorrer furtos dentro da própria empresa por meio dos funcionários. Nesse caso, a solução está em instalar câmeras de segurança e centrais CATV para inibir a ação de pessoas mal-intencionadas.

Percebemos, ao longo deste conteúdo, que há diferentes formas de uma empresa ser vítima de um golpe. Por isso, é importante estar atento aos tipos de fraudes para garantir a segurança de seus clientes e, sobretudo, do seu próprio negócio. Lembrando que os cuidados devem ser colocados em prática tanto por lojas físicas quanto por e-commerce, ok?

Gostou do artigo e quer saber mais sobre o assunto? Então, confira nossas dicas para evitar a ocorrência de fraudes na sua empresa.

Você também pode gostar

Deixe um comentário