44,60% dos caxienses irão às compras para o Dia das Mães

5 minutos para ler

O comércio de Caxias do Sul deve repetir o desempenho de vendas do Dia das Mães do ano passado. A segunda principal data comemorativa para o varejo – ficando atrás apenas do Natal – promete movimentar as lojas nos próximos 10 dias. De acordo com a pesquisa de intenção de compras apurada pelo Núcleo de Informações de Mercado da CDL Caxias do Sul, 44,60% dos moradores irão adquirir produtos para a celebração. Em 2020, o levantamento identificou que 45,80% dos caxienses iriam às compras e em 2019 esse percentual era de 66%. Se comparado com a pesquisa de 2019, quando não havia casos de Coronavírus, o desempenho nas vendas do Dia das Mães deste ano pode ter uma redução de cerca de 20%. O levantamento está disponível na íntegra clicando no botão abaixo.

Em 2021, o tíquete médio de investimento será um pouco menor em relação ao ano anterior, com redução de 3,68% (ou R$ 7), caindo para R$ 183. Em 2020 o valor era de R$ 190 e em 2019 foi de R$ 177,89 por cliente. Neste ano, a média de presentes será de 1,6 produtos, contra 1,5 de 2020 e 1,3 de 2019. Itens de vestuário e moda e de beleza e cuidado pessoal devem seguir como os mais procurados, com 43,6% e 21,75% da preferência, respectivamente. Quase 60% da população afirmou que pesquisa antes de comprar.

Noventa e oito por cento dos entrevistados irão comprar nas lojas locais (físicas ou digitais), sendo a maioria delas em estabelecimentos de rua no Centro (64,20%) e de bairros (9,88%) ou em shopping centers (18,52%). Entre os principais motivos da escolha do local estão o atendimento (46,50%), os produtos de qualidade (21%), as condições de pagamento (11,50%) e ambiente de fácil acesso (10,50%).

“Nossa pesquisa identificou também que mais de 80% do público se sente seguro para comprar de forma física no comércio local porque sabem que os estabelecimentos estão tomando todos os cuidados. Cerca de 14% disseram que ainda se sentem um pouco inseguros, mas que seguem se precavendo, e apenas 5% afirmaram que não se sentem protegidos do coronavírus”, detalha o gerente Administrativo Financeiro da CDL Caxias, Carlos Alberto Cervieri.

Mais de 67% dos entrevistados afirmaram que os presentes serão para a própria mãe, seguido da parceira (14,1%) e da sogra (7,6%). Dos consumidores que alegaram que não irão adquirir para a data, 45% deles disseram que não tem a quem presentear, 36,8% pela questão financeira e 10,7% por terem outras prioridades.   

“Os entrevistadores identificaram e nos relataram que muitos participantes sofreram perdas recentes para a Covid-19 e outras revelaram que estão com familiares internados. O grande aumento no número de óbitos em março e o crescimento exponencial nos casos impactou a população, deixando-a assustada, e isto também afeta um pouco a confiança na hora das compras, já que o Dia das Mães é uma data muito emotiva. Percebemos que os entrevistados estão muito abalados, mais do que em outras pesquisas. Com aumento repentino, a doença chegou mais próxima das pessoas”, pontua Cervieri.

Neste ano, 70,3% dos consumidores farão o tradicional almoço de Dia das Mães em casa e apenas 1,4% irão a restaurantes. Mais de 28% disseram que não vão fazer a refeição em família. 

78% das vendas devem acontecer entre 3 e 9 de maio

Característico dos caxienses em todas as datas comemorativas, 78,2% dos entrevistados da pesquisa da CDL Caxias devem ir às compras na semana do Dia das Mães, sendo 33,1% deles na véspera ou na data. Quase 53% devem optar pelos dias de semana (segunda a sexta-feira), 37,58% pelos sábados e apenas 9,55% pelos domingos.

“Vamos ter uma busca muito grande na proximidade da data, mais do que em outros anos. Ao público, nossa sugestão é que as pessoas antecipem suas compras, não deixem para a última hora, e usem corretamente a máscara, respeitem o distanciamento e usem álcool gel. Aos lojistas, reforçamos nosso pedido para que continuem também seguindo todos os protocolos e medidas restritivas”, salienta Carlos Alberto Cervieri, gerente Administrativo Financeiro da entidade.

Neste ano, a preferência do pagamento deve ser em dinheiro, para 56,6% dos entrevistados, contra 18,9% do cartão de crédito e 23,1% de débito.

“A opção pelo cartão de crédito caiu em relação aos últimos dois anos, que era sinalizado por 36,40% dos moradores em 2020 e por 32,30% em 2019. Isso denota que as pessoas estão cautelosas, que não querem se endividar nesse momento. E isso é típico de uma situação de crise” aponta Cervieri.  A pesquisa de intenção de compras da CDL Caxias do Sul foi realizada entre os dias 12 e 14 de abril, por telefone, com 387 moradores de diferentes pontos de Caxias do Sul. O levantamento tem índice de confiança de 95% e margem de erro de 5% para mais ou para menos.

Você também pode gostar

Deixe um comentário