Você está atento às fraudes?

 

Dados da Association of Certified Fraud Examiners indicam que as empresas perdem até 5% da sua receita com fraudes. Assunto em voga no momento, é importante que os gestores tenham um controle rígido e façam auditorias regulares para que surpresas desagradáveis nas finanças do negócio sejam evitadas.

Para fugir das fraudes também é importante se prevenir. Muitas empresas passam por uma situação delicada para então apostar em uma equipe e programa que identifica riscos, e muitas vezes, com a situação estável, voltam à rotina antiga. Um sistema antifraude é fundamental no dia a dia de todo negócio e deve ser incluso nos itens de investimento da empresa.

Identificar os pontos altos e baixos do negócio, e quais são mais suscetíveis à fraude, também é uma ação importante na rotina do gestor. Indique um funcionário para revisar as informações financeiras e mantenha-se em dia com as planilhas. Qualquer alteração deve ser observada e resolvida o mais rápido possível.

Serviços de monitoramento são alternativas em alta. Isso porque cibercriminosos atuam em diversos segmentos e canais, portanto a ameaça pode acontecer em qualquer momento. Lembre-se de analisar os dados da sua empresa para escolher o melhor modelo ou serviço de monitoramento de fraudes e o que se encaixa nas suas expectativas e na realidade do negócio.

Mantenha a equipe atenta e preparada para lidar com situações de risco e alertas sobre as mudanças. Criar um grupo multidisciplinar, com colaboradores de segmentos diferentes atuando junto é uma boa alternativa para manter a comunicação constante entre departamentos, com todos os colaboradores sempre atualizados sobre riscos de fraude.

Alguns exemplos que configuram-se como fraudes ou riscos – fique atento:

  • Ataques à proteção de dados da empresa (senhas, dados, cartões, acessos em dispositivos externos, etc) – troque e atualize as senhas com frequência;
  • Boletos falsos e cobranças indevidas – identifique fornecedores inexistentes e/ou spans;
  • Emails e contatos falsos – alinhe sempre as informações e os canais de comunicação com a equipe, clientes e fornecedores;
  • Sistemas falhos ou sem de proteção de dados, planilhas e informações sigilosas da empresa – tenha certeza de que seus softwares são confiáveis antes de contratá-los;
  • Dinheiro falso (Dicas do Banco Central aqui);
  • Documentos (CPF, RG, CNPJ) e cheques falsos ou roubados (tenha o acesso ao SPC Alerta – para saber se não há alguma informação de roubo ou perda do documento);
  • Processos não revisados – é importante auditar os processos internos da empresa e planejar a gestão de riscos.

Na próxima edição da Revista Panorama teremos uma reportagem completa sobre o assunto com dicas importantes, aguarde!

Tem uma experiência com fraudes na sua empresa para compartilhar? Conte mais nos comentários.

 

 

Deixe uma resposta