Inbound Marketing: atraia o seu consumidor

Você está assistindo ao seu programa favorito quando, no clímax da narrativa, é interrompido para os comerciais. Você para no sinal e recebe um panfleto de um produto que jamais esteve na sua lista de compras. O Inbound Marketing é o oposto disso: é você que busca a marca.

É como se você pudesse interromper a novela para saber onde comprar o vestido que a protagonista está usando; é você apresentando a sua lista de compras e recebendo o máximo possível de informações sobre os produtos que busca. E o consumidor premia quem melhor lhe satisfaz nesse processo – mais rápido, com melhor conteúdo, com melhor estratégia – com o que toda a marca deseja que ele faça: a compra.

É por essa diferença na relação entre o consumidor e publicidade (o primeiro buscando o segundo) que o Inbound Marketing é confundido com outras ferramentas – inclusive, úteis ao inbound – como o marketing digital e o marketing de conteúdo. É porque a internet facilita, para o consumidor, essa seleção de consumo de publicidade; e, para as marcas, a atração dos seus consumidores. Entenda as etapas do Inbound Marketing e como elas podem funcionar para atrair clientes com maior engajamento, menor custo e uma vasta oferta de informações mensuráveis: ideais, inclusive, para redesenhar o seu público-alvo.

Atração

Não é a fachada super luminosa, o preço colado na vitrine, o carro de som do que trata a atração a qual nos referimos aqui. Atrair, no Inbound Marketing, é oferecer CONTEÚDO RELEVANTE ao seu público-alvo, de modo que possíveis futuros consumidores do seu produto/serviço se tornem visitantes regulares da sua marca.

Na prática: Se você vende fraldas para bebês, por exemplo, seu CONTEÚDO cativante não é a promoção, somente. Pense no que o consumidor desse produto busca, além de fraldas: saúde, alimentação, desenvolvimento da criança, psicologia infantil… Aproveitar esse tipo de conteúdo com a sua assinatura é, além de uma forma de atração, a oportunidade de mostrar como a sua marca se importa com o consumidor final do seu produto.

Conversão

É transformar seus visitantes em leads: oportunidades reais de venda. Nessa etapa, a marca oferece, através de um canal direto de comunicação, uma oportunidade de avançar nessa relação: em geral, troca um conteúdo por informações do consumidor.

Na prática:

Ebook, infográfico, case, webinar, entre outros costumam ser os benefícios que seus visitantes recebem para enviar seus dados, através de formulários, e, então, se tornarem leads. Quando o consumidor chega a essa etapa, revela-se para a marca com maior potencial em relação aos demais visitantes. E merece tratamento especial também.

Venda

É a transformação dos leads em consumidores reais. A primeira venda.

Na prática: Alguém visitou sua marca regularmente, consumiu seu conteúdo e foi além: informou seus dados – valorize muito essa moeda! – para poder consumir conteúdo ou acessar um benefício especial. Nessa etapa, o contato se torna ainda mais direto e agora a marca pode fazer o caminho inverso: ir até o consumidor para conquistar a venda, inclusive aproveitando as mesmas ferramentas de comunicação utilizadas até aqui. E, com esse público filtrado até aqui, tem grandes chances de fazê-lo.

Fidelização

Transformar seu fiel consumidor de conteúdo – e estreante na compra – em um consumidor de produto/serviço igualmente fiel.

Na prática: Manter um cliente é mais fácil e mais barato do que captar novos. Não falhe no pós-venda, mantenha sua produção de conteúdo pense em conteúdos/benefícios especiais para este público que chegou ao fim do processo de Inboud Marketing. Agora a marca tem perto de si alguém com potencial para ser um consumidor frequente e, talvez, um multiplicador. Isso tem tudo a ver com a qualidade do relacionamento a partir daqui. Se a ideia é que a relação seja infinita, então ela precisa evoluir sempre.

Gostou dessa estratégia? Você usa isso para sua marca? Mande seus comentários

Deixe uma resposta