Neuromarketing. O que é isso? E como se aplica ao varejo?

A palavra “neuromarketing” trata-se da junção de marketing com neurociência. Com ele, é possível entender o comportamento do consumidor, por exemplo: por que ele escolhe certas marcas, como ele responde aos anúncios, por que se torna fiel a algumas marcas e a outras não, entre outras questões.

Como são motivações que nem as próprias pessoas reconhecem, essas coisas não são explicitamente ditas em pesquisas de satisfação que você contrata ou em comentários da sua página de Facebook, por exemplo. Estudiosos já mostraram que o processo de tomada de decisões (e isso inclui decisões de compra) não acontece de uma forma racional, lógica e consciente, mas sim, inconscientemente, quando alguns estímulos ativam determinadas partes do cérebro.

Ou seja, as marcas podem usar esses conhecimentos (e isso pode ser através de cores, símbolos, mensagens subliminares) para conseguir vender mais. Há quem diga, inclusive, que “toda ação de marketing vem do neuromarketing”.

Como aplicar o neuromarketing no seu negócio? Segundo dicas do texto no site viverdeblog.com/neuromarketing, aplicar o neuromarketing não significa que você tenha que investir em estudos caros e demorados. Veja algumas dicas listadas no texto:

Imagens funcionam melhor que textos
Conteúdos visuais são os preferidos da maioria das pessoas, já que compreendemos com muito mais facilidade imagens do que palavras. Por isso o instagram faz tanto sucesso!

Rosto de pessoas
Como não resistir a um rosto bonito trocando olhares e sorrindo para você? Rostos de pessoas felizes e bebês olhando diretamente para você atraem muito nossa atenção.

Psicologia das cores
Cada uma das cores causa afeta nossas emoções de uma maneira completamente diferente, sendo assim grandes aliadas de estratégias de marketing baseadas no neuromarketing. Quando você sabe o efeito que desejar causar no seu público poderá escolher quais as melhores cores para usar em seu logotipo, por exemplo.

Fontes simples para encorajar a tomada de decisão
Atenção às fontes usadas em anúncios, sites, formulários.
Fontes mais simples e que facilitam a leitura funcionam melhor quando é necessário convencer alguém a tomar uma ação, como comprar.

Ancoragem de preços
Para avaliar se algo é caro ou barato, usamos a comparação, tornando a ancoragem de preços uma estratégia importante para as suas vendas. É possível fazer ancoragem com o preço dos seus concorrentes, oferecendo um bônus que nenhum deles dá, por exemplo.

Para completar, Rubens Sant’Anna, professor da ESPM e estudioso do assunto, em texto da startse.com, deu outras 5 aplicações do neuromarketing no varejo:

Reduzir opções: o primeiro efeito de muitas opções é a paralisia, a pessoa não sabe o que comprar, pode ir embora ou se arrepende do que comprou depois. Portanto, ofereça poucos produtos.

Criar significados: para as marcas que desejamos estamos dispostos a gastar mais, pois elas oferecem um maior significado.

Ambientar o Ponto De Venda: aposte no ambiente da sua loja e em como ele transmite a identidade da sua marca. Isso sugere uma forma de consumo do produto.

Música: música é tudo! Sant’Anna citou um estudo de Leicester que mostrou que o som pode determinar se vamos optar por uma garrafa de vinho francês ou alemão. Portanto, invista em uma trilha que represente a sua marca. Já falamos sobre isso no blog da CDL. Leia aqui.

Olfato: já o olfato é o sentido mais primitivo, marcas devem ter uma identidade olfativa para despertar os clientes para o consumo.

Deixe uma resposta