CIPA: o que a sua empresa ganha com isso?

Entre as principais causas de acidentes de trabalho no Brasil estão o descumprimento das normas de proteção e condições inadequadas nos ambientes de trabalho. É para isso, para fiscalizar, conscientizar e garantir a segurança no trabalho que existe a CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), que pode até soar burocrática, mas tem fundamental importância para a saúde e para a preservação da vida do trabalhador.

A CIPA é obrigatória – garantida em lei – para todas as empresas com mais de 20 colaboradores. Proporcionalmente ao número de funcionários, seus integrantes são eleitos pelos empregados em votação secreta, mais um membro indicado pelo empregador. Os eleitos, com mandato de um ano, recebem, obrigatoriamente, curso de capacitação que inclui estudo do ambiente, das condições de trabalho e riscos; metodologia de investigação e análise de acidentes e doenças do trabalho; noções sobre acidentes e doenças do trabalho decorrentes de exposição aos riscos existentes na empresa; noções sobre a AIDS e medidas de prevenção; noções sobre as legislações trabalhista e previdenciária relativas à segurança e saúde no trabalho; princípios gerais de higiene do trabalho e de medidas de controle dos riscos; organização da CIPA e outros assuntos necessários ao exercício das atribuições da Comissão.

Os membros da CIPA têm estabilidade no emprego (demissões só podem ocorrer por justa causa), do período da candidatura até um ano após o encargo. E essa costuma ser a vantagem mais conhecida sobre a CIPA… Mas está longe de ser a principal. Veja outros motivos para incentivar a ampliar o trabalho da CIPA na sua empresa.

Integração

Entre outras ações de conscientização sobre segurança, saúde e qualidade de vida do trabalhador, a CIPA organiza, obrigatoriamente uma vez por ano, a Semana Interna de Prevenção a Acidentes de Trabalho (SIPAT). Além de promover a integração entre os colaboradores, é um importante momento para desenvolver assuntos fundamentais, mas que, de tão corriqueiros, são esquecidos durante a rotina de trabalho.

Gestão participativa: como aplicá-la no seu negócio

Melhoria das condições de trabalho

Pensar em prevenção de acidentes e doenças funcionais não é importante apenas para profissões de alto risco ou insalubres. Além de zelar pelo uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual, nas funções em que eles são exigidos, a CIPA avalia ambientes como escritórios com foco no conforto, ergonomia do mobiliário e iluminação.

Oportunidade de ouvir

A capacitação dos membros da CIPA dá ao conselho condições de ouvir e buscar soluções para diversos problemas dos funcionários. O tom didático das campanhas oportuniza ouvir as dores da equipe sobre, por exemplo, estresse, que também é doença laboral. A partir desse olhar atento, a CIPA é capaz de ajudar o empregador a proporcionar um ambiente de trabalho mais saudável e, consequentemente, mais produtivo.

Empresa do futuro é um lugar agradável em todos os espaços

Confiabilidade da empresa

Embora tenha foco no colaborador, a CIPA também presta serviço essencial à empresa. Um conselho ativo mantém o empregador ciente sobre as regulamentações e em conformidade com a justiça do trabalho. Estar em dia com essas regulamentações aumenta a credibilidade da empresa em eventuais questões judiciais. A mesma credibilidade conquistada perante à Justiça é válida à sociedade. Garante a boa reputação da marca perante a clientes, parceiros comerciais e novos colaboradores.

Valorização do colaborador

Ainda que obrigatória, a CIPA (especialmente quando atua alheia à obrigatoriedade) cria um clima agradável, de respeito e valorização ao trabalhador. E sentir-se acolhido, ouvido e protegido dentro da empresa faz toda a diferença na motivação e no clima organizacional.

Redução de custos

Equipamentos de segurança, iluminação adequada, recursos que garantam o conforto do funcionário: nada disso custa caro à empresa. O que custa são as consequências de não tê-los. Quando a CIPA consegue garantir boas condições de trabalho, melhora a saúde da equipe, diminui os afastamentos, atestados e etc. E aí está o investimento em redução de custos.

Cultura de Segurança

A CIPA é formada por trabalhadores. São eles que repassam ao demais as informações úteis para preservar a vida e a segurança no trabalho. Essa conversa “de igual para igual” tem mais força de conscientização. Quando a CIPA realiza um bom trabalho, a sua rede aumenta: a segurança passa a ser fiscalizada por mais pessoas, o funcionário cobra de si e dos outros a proteção necessária, a cultura de segurança se fortalece.

Deixe uma resposta